sábado, 2 de abril de 2011

A Covardia Fardada. Nossa Polícia tem Solução?


Nas últimas semanas fomos brindados com ações exemplares de nossa polícia.

Em seis vídeos podemos ver o quão estamos mal amparados no que diz respeito à proteção, segurança e justiça.

São seis situações em que a ação dos que deveriam nos proteger, afinal são pagos para tal*, se confundem com a daqueles que são,em teoria, a razão da necessidade de segurança.  

*Obs: Argumentos de que são mal remunerados servem para justificar seus delitos assim como se utiliza o da pobreza para a criminalidade. Em ambos os casos os argumentos são explicativos e não propriamente justificativos.

O primeiro caso e mais recente foi à intervenção policial em uma manifestação dos moradores do morro do Bumba em Niterói que praticamente deixou de existir após as fortes chuvas de 2010. A Prefeitura de Niterói, já em dívida nos últimos três meses em relação ao aluguel social (benefício recebido pelos moradores de cerca de RS 500) informou aos desabrigados do Bumba que mais uma vez não faria o pagamento. Isto ocorreu já na fila do suposto pagamento. A clara e justa revolta dos cidadãos tomou a rua próxima, fechando o trânsito. Para dispersar a multidão, policiais se utilizaram de gás de pimenta. Ferramenta que deve ser utilizada jogando o jato no ar a fim de tornar o ambiente insalubre, mas nunca diretamente sobre alguém se o mesmo não se apresenta como uma ameaça. Pois bem, as imagens abaixo são claras. Em um dado momento, quando a situação parecia mais calma, um dos policiais aplica um jato de gás de pimenta dentro dos olhos de um rapaz que é escolhido dentre várias pessoas. Covardia maior pode ser vista na foto que foi capa do O Globo e que foi amplamente reduzida no Facebook, nela outro policial borrifa o gás em cima de crianças. Um absurdo sem tamanho que tem de ser apurado e julgado conforme sua gravidade.  Até o momento, pelas informações colhidas, apenas o primeiro policial foi advertido. Instituições de proteção aos diretos humanos e das crianças ainda não se posicionaram sobre o assunto.






Foto: Pedro Kirilos

Outra situação aterradora aconteceu na verdade há dois anos, mas somente a pouco veio à tona. Em uma delegacia do Estado de São Paulo uma escrivã acusada de ter recebido propina de R$ 200,00 para liberar um acusado do inquérito, foi despida a força por agentes homens da Corregedoria da Polícia (Corregedoria é o órgão que apura desvios de policiais e que zelaria pela boa conduta destes). Se usando de um amparo legal a acusada, que em nenhum momento da gravação se opôs à revista, solicitou que a mesma fosse realizada por agentes femininas. De nada adiantaram os apelos da vítima que diante de pelo menos cinco homens foi algemada e teve a calça e calcinha arrancadas pelos corregedores. No vídeo podem ser vistas pelo menos duas policias mulheres, mas a insistência dos agentes era para que a revista fosse realizada por algum corregedor. A brutalidade e ignorância do ato colocam em segundo plano o crime da escrivã (ex-escrivã, pois mesmo sem ter sido julgada já foi expulsa da corporação). Interessante é que segundo a reportagem da Band a ação aconteceu, como dito, há dois anos e o vídeo foi mantido sob sigilo por todo esse tempo com a conivência de diversas autoridades. Questionada sobre a ação a Secretaria de Segurança afirmou que a abordagem foi correta e o uso de força foi moderado. O governador Alckmin ao ser questionado sobre a conduta dos agentes disse que grave foi o vazamento do vídeo (g1.com). Realmente exemplar a moderação.

ATENÇÃO: CENAS DE NUDEZ 




Outra situação foram as prisões ocorridas em uma manifestação contra a vinda de Barak Obama ao Brasil. Em uma anomalia jurídica prenderam 13 pessoas dentre todo grupo de cerca de 600 manifestantes sem qualquer critério ou prova. Para piorar, os homens foram levados para o presídio (antes de qualquer julgamento) em Água Santa e tiveram a cabeça raspada. As mulheres foram encaminhadas para Bangu 8, inclusive uma senhora de 69 anos. A justificativa para mantê-los trancafiados foi a de que tentaram colocar fogo no prédio com um coquetel molotov, que até agora não identificaram de quem era, e de que colocavam em risco a vida de presidente americano. Com o esquema de segurança montado nem o Noturno (personagem dos X-Men que já fez um atentado contra o presidente no filme) ameaçaria a vida do presidente, quanto mais 13 pessoas que empunhavam cartazes e faixas. Só se o Obama for alérgico a celulose, algodão e tinta.




Também data de 2009 caso que ocorreu em Manaus onde policias atiram em um jovem desarmado e acuado junto ao muro da própria casa. O jovem só sobreviveu graças à, felizmente, incompetência técnica dos servidores.


Os outros dois casos trataram-se da intervenção policial às manifestações estudantis. Em São Paulo como não haveria de ser diferente, desde os tempos de Serra, desceu o cassetete em estudantes que protestavam contra o aumento das passagens. Mais uma vez, o estado em defesa do capital combateu àqueles que tentam clamar por seus direitos e não se curvam diante da injustiça e da canalhice.


No Rio estudantes do (meu) Pedro II. entraram em choque com policiais quando estes não permitiram a manifestação que reivindicava ar condicionado nas salas de aula. No verão carioca, mesmo com os ventiladores a temperatura chega facilmente aos 35 graus nas salas, dificultando o ensino e aprendizado. A PM não pensou duas vezes, desceu a pancada nos secundaristas.





Foto: Bruno Gonzalez


Seis pouco belos exemplos de como estamos mal servidos de agentes que são os responsáveis pela nossa segurança, que deveriam prezar pela defesa de nossos interesses e integridade física e moral. Também são exemplos de instituição próxima da falência moral por completo.

Não consigo vislumbrar alternativas, soluções ou saídas para a nossa polícia. São tantos e diversos os problemas que nem sei por onde começar. Quero pensar que existem pessoas lá dentro que realmente pensam em fazer a diferença. Que entram com a vontade e a esperança de proteger todos os cidadãos de bem (e não apenas os de bens) mas estes se deparam com uma estrutura falida econômica e moralmente.

Recorro aos leitores internautas alguma idéia, alguma proposta que possa transformar essa instituição em uma ferramenta em defesa da população e não em seu algoz. 

2 comentários:

  1. Parabéns pelo texto Lan, mas realmente não sei o que fazer hoje em dia, apesar de ser espírita muitas coisas não entram na minha cabeça ,o que fazer com um cara que joga spray de pimenta em uma criança, tenho vontade de amarra-lo e fazer um pequeno corte em seu saco e tascar esse mesmo spray . naõ sei mais o que pensar , pq as pessoas são assim , pq fazem isso !! Quero um mundo de amor , união , honestidade e paz!!

    ResponderExcluir
  2. -Sobre os Movimentos Sociais:

    O pior é que a imagem do policial fica manchada. Sabemos muito bem que numa instituição burocrática, como é a polícia, há uma hierarquia. As ordens que os policiais recebem para repressão dos movimentos sociais são extremamente verticais. Em outras palavras, o Estado com todo o seu aparato político esmaga os cidadãos para "proteger a ordem pública". Então, minha gente, temos que questionar o Estado e, por conseguinte, o governo em sua ação com a população, que tem o direito de cobrar direitos e dignidade de vida previstos na Constituição Federal. Peçamos políticas públicas de capacitação das corporações da polícia. É, infelizmente, nós, cidadãos, protestamos para que o Estado cumpra o seu papel, execute sua função.

    -Sobre o abuso de autoridade:

    Lamentável o caso da escrivã.

    ResponderExcluir