segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Porque a Globo e a Veja não mostram quem é Paulo Preto?



VERSUS



Parodiando a revista porta voz do PIG (Partido da Imprensa Golpista) a Isto É tenta equilibrar um pouco o jogo e divulgar aquilo que Globo e Abril tentam esconder.

No primeiro debate dos presidenciáveis, na Band, ao final do primeiro bloco do debate, Dilma cobrou de José Serra esclarecimentos sobre Paulo Vieira de Souza, ex-membro do governo tucano em São Paulo que, segundo a petista, “fugiu com R$ 4 milhões de sua campanha”.

O senador eleito Aloysio Nunes, que mantinha relações estreitas com cidadão citado, deixou o estúdio e não retornou, sob proteção da cúpula tucana.

Serra, meio desnorteado, com as perguntas dos jornalistas ao final do debate afirmou não conhecer o cidadão. Um dia depois, 'com a cabeça mais fresca', lembrou de Paulo, o elogiou: "

“Ele é considerado uma pessoa muito competente e ganhou até o prêmio de Engenheiro do Ano (em 2009)" e defendeu com bastante afinco o homem que um dia antes não lhe vinha a mente: "Nunca recebi nenhuma acusação a respeito dele durante sua atuação no governo. A acusação contra ele é injusta. Não houve desvio de dinheiro de campanha por parte de ninguém, nem do Paulo Souza”.

Paulo Vieira de Souza foi diretor de engenharia da Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa), responsável por parte das obras viárias do governo de São Paulo. Ele foi demitido oito dias depois de ter inaugurado o trecho sul do Rodoanel.

Na revista Carta Capital desta semana em reportagem de Cynara Menezes mais dados sobre o misterioso homem que Serra diz não conhecer e que aparentemente a mídia golpista também não sabe:

1. Há 11 anos ocupava cargos de confiança em governos tucanos e era diretor da Dersa desde 2005, primeiro nas Relações Institucionais e depois na engenharia, nomeado por Serra.

2.Trabalhou no Palácio do Planalto durante os quatro anos do segundo governo Fernando Henrique Cardoso como assessor especial da Presidência, no programa Brasil Empreendedor Rural.

3. Em São Paulo, foi responsável pela medição de obras e pagamentos a empreiteiras contratadas para construir o trecho sul do Rodoanel, que custou 5 bilhões de reais, a expansão da avenida Jacu-Pêssego e a reforma na Marginal do Tietê, estimada em 1,5 bilhão.

4. Quem levou Vieira de Souza para o Planalto foi Aloysio Nunes Ferreira, recém-eleito senador pelo PSDB, de quem Paulo Preto se diz amigo há mais de 20 anos. Ferreira dispensa apresentações. Em 3 de outubro foi o candidato ao Senado mais votado do Brasil, depois de ter sido chefe da Casa Civil no governo paulista.

5. Seu nome aparece ainda na investigação feita pela Polícia Federal que resultou na Operação Castelo de Areia. Na ação, -executivos da construtora Camargo Corrêa são acusados de comandar um esquema de propinas em obras públicas. Em relatório da PF há várias referências ao trecho sul do Rodoanel, responsabilidade de Paulo Preto, que teria recebido quatro pagamentos mensais de 416 mil reais da empreiteira. Tanto empresa como Vieira de Souza refutam a acusação, segundo revista. 

E se Paulo Preto fosse ligado ao PT? Como vocês acham que seria o tratamento?


Crédito das Fotos:
tudo-em-cima.blogspot.com
http://www.conversaafiada.com.br
www.cartacapital.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário